Considera-se que o direito ao acompanhamento e à visita deve ser realizado com respeito pelas regras de organização da unidade de internamento e pelas orientações transmitidas pelos profissionais de saúde relativamente no tratamento e no cuidar do doente adulto no CHLC.

Estas vertentes de acompanhamento pela pessoa significativa e as visitas, têm um papel importante no apoio psicológico, afectivo e assistencial e visam a humanização dos cuidados, sendo também um contributo na responsabilização partilhada na preparação da alta do doente.

Visitas

Período - das 15h às 20h

Nos casos em que o doente não tenha identificado um elemento, considerando-o como pessoa significativa, uma visita poderá beneficiar do horário previsto para o acompanhamento pela pessoa significativa, ou seja das 12h às 21h.

  • Este período destina-se a familiares e amigos dos doentes adultos nas enfermarias e no ambulatório do Hospital (excepto o serviço de urgência, as unidades de cuidados intensivos; as salas de recobro e as unidades de cuidados especiais). 
  • A visita deve cumprir as normas de organização e funcionamento da unidade de internamento, assim como respeitar os doentes internados, profissionais de saúde e património hospitalar. 
  • As visitas excepcionais estão interditas a crianças menores de 12 anos de idade, excepto em situações autorizadas pelos responsáveis das Unidades. Com o objectivo de proteger a saúde das crianças, os profissionais de saúde devem esclarecer e informar os motivos desta tomada de decisão. 
  • A decisão sobre a visita ou acompanhante compete ao doente, excepto quando a sua situação clínica não lho permitir, podendo este recusar receber visitas. 
  • O controlo é feito em cada uma das Unidades Clínicas, no que diz respeito ao número de pessoas presentes simultaneamente junto de cada doente, podendo permanecer um máximo de 2 pessoas, nas quais está incluída a Pessoa Significativa. 
  • Na Urgência, nas Unidades de Cuidados Intensivos, nas salas de recobro e nas unidades de cuidados especiais, os horários de visita deverão ser definidos pelos respectivos Responsáveis, atendendo às suas particularidades, devendo este horário, em qualquer das circunstâncias, ser autorizado pelo Conselho de Administração sob proposta do Serviço, para posterior comunicação e divulgação.

Acompanhamento por Pessoa Significativa

Período - das 12h às 21h

  • O Acompanhamento por Pessoa Significativa está implementado em todas as Unidades Clínicas do CHLC. 
  • O controlo é feito nos Serviços, mediante a apresentação do Cartão de Identificação de Acompanhante
  • Este tipo de acompanhamento é efectuado por uma pessoa significativa para o doente. Este familiar/amigo/acompanhante fica numa posição privilegiada para fornecer informações aos profissionais, numa responsabilização partilhada de dar e receber informação e comunicar posteriormente com os outros familiares e amigos, assim como para dar continuidade aos cuidados prestados na instituição. 
  • O doente, desde que possua capacidade para decidir, opta por usufruir ou não deste tipo de acompanhamento e quem é a pessoa significativa para si, informando o enfermeiro responsável pelos seus cuidados. 
  • O enfermeiro que faz o acolhimento, presta a informação e esclarecimentos relativos ao papel, direitos e deveres da pessoa significativa que faz o acompanhamento e fornece o cartão de identificação de Acompanhante, assim como o folheto informativo.

A pessoa significativa tem o DIREITO de:

  1. Permanecer junto do seu familiar/amigo entre as 12h e as 21h, sempre que for possível para si e para a Unidade Clínica;
  2. Colaborar na Execução dos cuidados ao seu familiar/amigo com o apoio e/ou orientação do enfermeiro;
  3. Acompanhar o doente na realização de alguns exames, tratamentos e consultas realizados no hospital, de acordo com orientações do enfermeiro;
  4. Receber informação sobre o seu familiar/amigo pela equipa de saúde;
  5. Utilizar o refeitório do pessoal, ao almoço entre as 14h e as 14h30 e, ao jantar, entre as 19h e as 20h, devendo apresentar obrigatoriamente o respectivo cartão de identificação;
  6. Frequentar os espaços públicos de cada um dos Hospitais que constituem o CHLC;
  7. Frequentar as capelas e utilizar os quiosques e instalações similares;
  8. Utilizar as instalações sanitárias públicas de cada um dos Hospitais do CHLC.

 A pessoa significativa tem o DEVER de:

  1. Anunciar a sua entrada e saída da Unidade Clínica ao enfermeiro;
  2. Manter o cartão de acompanhante sempre visível;
  3. Permanecer somente junto do seu familiar/amigo, numa postura adequada ao local e à existência de outros Doentes. Sempre que se verificar alguma situação em que tal postura não seja adequada pode ser impedido o acesso;
  4. Respeitar a privacidade dos outros doentes e acompanhantes;
  5. Colaborar na mobilização do seu familiar/amigo ou alterar a posição da cama, de acordo com as indicações do enfermeiro;
  6. Solicitar autorização do enfermeiro para alimentar o doente, exclusivamente com a alimentação fornecida pelo CHLC;           
  7. Sair da Unidade Clínica sempre que a equipa de saúde o solicite;
  8. Manter o telemóvel desligado ou em modo silencioso;
  9. Centralizar a informação e comunicar aos restantes familiares e outros elementos de referência;
  10. Colaborar na preparação da alta, disponibilizando a roupa para o momento da saída da Unidade;
  11. Manter uma atitude de vigilância em relação aos seus pertences, dado que o CHLC não se responsabiliza pelos mesmos;
  12. Entregar o cartão de acompanhante quando o seu familiar tiver alta.

Acompanhamento de Doentes com Necessidades Especiais

  • Os doentes com necessidades especiais têm direito a acompanhamento por um familiar, que pode ser alargado até 24 horas, dependendo da necessidade do doente, da disponibilidade do acompanhante e das condições da Unidade Clínica (UC), devendo em qualquer circunstância ser devidamente autorizado pelo responsável máximo da respectiva Unidade. 
  • Em cada UC, são desenvolvidos esforços no sentido de serem proporcionadas as melhores condições, para que a permanência deste acompanhante seja efectuada durante o maior período de tempo, sem prejuízo do cuidado aos outros doentes. 
  • O Enfermeiro chefe da Unidade Clínica, ou quem o substitua, procede à operacionalização deste acompanhamento, de acordo com o familiar. Este acompanhante é identificado com Cartão de identificação de Família/Pessoa Significativa/Acompanhante e esclarecido sobre o seu papel, direitos e deveres, sendo-lhe entregue o Folheto Informativo respectivo.

Acompanhamento de Doentes Terminais

  • Em todos as Unidades Clínicas é promovido o acompanhamento de doentes em estadio terminal, por um familiar, podendo a sua permanência ser alargada até 24 horas, dependendo da necessidade do doente, da disponibilidade do acompanhante e das condições da Unidade Clínica (UC). Em cada UC são desenvolvidos esforços no sentido de serem proporcionadas as melhores condições, para que a permanência deste acompanhante seja efectuada durante o maior período de tempo, sem prejuízo do cuidado aos outros doentes da unidade de internamento. 
  • Dependendo da avaliação da situação, este acompanhamento poderá ser realizado por mais de uma pessoa, de forma alternada e procurando que a situação clínica não interfira com a própria pessoa significativa responsável pelo doente. 
  • O Enfermeiro chefe da Unidade Clínica, ou quem o substitua, procede à operacionalização deste acompanhamento, de acordo com o familiar. Este acompanhante é identificado com Cartão de identificação de Família/Pessoa Significativa/Acompanhante e esclarecido sobre o seu papel, direitos e deveres, sendo-lhe entregue o Folheto Informativo respectivo.

Ausência de Acompanhante e/ou Visita

O doente internado que não esteja acompanhado deve receber por parte dos profissionais de saúde maior disponibilidade e deve ser prestado atendimento personalizado de apoio a nível social e jurídico, em caso de necessidade.

Sempre que durante o internamento seja identificada alguma situação indiciadora de risco, deve ser reportada à estrutura de Apoio Social da Unidade.